Exame laboratorial confirma segundo caso de Monkeypox no RS

Diagnóstico da doença é realizado de forma laboratorial, por teste molecular ou sequenciamento genético.

Foi confirmado nesta sexta-feira (17/06) o segundo caso importado de Monkeypox no Rio Grande do Sul. A definição saiu após o resultado de exame laboratorial no Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo.

Trata-se de um residente de Porto Alegre, com histórico de viagens a países europeus onde já foi confirmada a doença. O homem passou por atendimento médico nas últimas semanas e encontra-se em acompanhamento médico, apresenta quadro clínico estável, sem complicações e está sendo monitorado assim como seus contatos pelas Secretarias de Saúde do Estado e do Município.

Não há relação de contato desse com o outro caso que já foi confirmado no RS, que foi de um residente de Portugal em viagem à Capital. Ambos são considerados casos importados por serem em pessoas com histórico recente de viagem a outros países. Fora esses dois confirmados, não há no momento registro de outros casos considerados suspeitos.

Dados do Ministério da Saúde até essa quinta-feira (16) registravam outros cinco casos no país: quatro em São Paulo e um no Rio de Janeiro. No mundo, são mais de 2,1 mil casos confirmados em 37 países.

Sobre a doença

A Monkeypox é uma doença viral, e a transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados. A doença causa erupções que geralmente se desenvolvem pelo rosto e depois se espalham para outras partes do corpo.

A erupção cutânea passa por diferentes estágios e pode se parecer com varicela ou sífilis, antes de finalmente formar uma crosta, com posterior cicatrização. Quando a crosta desaparece, a pessoa deixa de infectar outras pessoas. O período de incubação é de 6 a 16 dias, mas pode chegar a 21 dias.

O diagnóstico da doença é realizado de forma laboratorial, por teste molecular ou sequenciamento genético. O teste deve ser realizado em todos os pacientes que forem enquadrados na definição de caso suspeito. As amostras estão sendo direcionadas para os laboratórios de referência, que para o Rio Grande do Sul é o Instituto Adolf Lutz de São Paulo (IAL/SP).

Uso do termo “Monkeypox”

Para evitar que haja um estigma e ações contra os Primatas Não Humanos (macacos), o Ministério da Saúde optou e orienta por não denominar a doença no Brasil como varíola dos macacos.

Embora tenha sido identificado originalmente em animais desse gênero, o surto atual não tem relação com ele Apesar do estrangeirismo, uma tentativa de solucionar a situação foi a de usar a denominação dada pela Organização Mundial da Saúde (OMS): Monkeypox. Segundo a pasta do Governo Federal, isso tem o intuito de evitar desvio dos focos de vigilância e ações contra os animais.

Fonte: Secretaria da Saúde RS