Seguro de vida pode cobrir doença diagnosticada em Fátima Bernardes

Casos como o da jornalista e apresentadora Fátima Bernardes, diagnosticada com um câncer no útero (encontrado no endométrio), se incluem na cobertura de Doenças Graves no Seguro de Vida.

“Há o direito à cobertura de Doenças Graves, uma vez que foi diagnosticado como câncer, e não tumor benigno”, afirma o corretor de seguros e membro do MDRT, Thiago de Sena Oliveira, fundador do curso “Trilha do Corretor em Seguros de Vida”.

Ele explica que esse tipo de cobertura é pago ao segurado em vida. Além disso, em caso de morte, a família também tem direito à indenização prevista nesta cobertura. “Em algumas seguradoras existe um critério chamado de Sobrevida, onde o segurado precisa sobreviver até 30 dias após o diagnóstico para ter direito à cobertura de doenças graves.

Porém, já temos seguradoras que não usam mais o Sobrevida. Portanto, na data do diagnóstico, o segurado já passa a ter direito à cobertura”, acrescenta Oliveira.

Ele assinala ainda que a cobertura de doenças graves contempla uma quantidade específica de doenças em que o segurado passa ter o direito a partir do diagnóstico de uma das situações previstas, podendo usar o capital segurado em vida, tanto para tratamento, quanto para despesas do dia a dia ou qualquer outra finalidade.

O segurado pode acessar o valor da indenização em casos de doenças graves, pois o objetivo desta cobertura é exatamente a de ser recurso financeiro de liquidez rápida que possa ser usado para qualquer finalidade.

Thiago de Sena Oliveira frisa também que as doenças consideradas graves para os seguros de vida mudam, dependendo da seguradora. Porém, o câncer, infarto e AVC representam o maior percentual dos casos pagos pelas seguradoras.

“Temos também insuficiência renal, pontes de safena, transplantes. e muitas outras doenças que variam de três a até aproximadamente 30 tipos, dependendo da cobertura e da seguradora”, conclui o especialista.

Fonte: CQCS | Foto: O Globo