SulAmérica desenvolve estratégia virtual para enfrentamento da pandemia

Matéria do Valor Econômico publicada dia 14/05 informa que a vice-presidente de saúde e odonto da SulAmérica, Raquel Giglio, pontuou que a estratégia de verticalização virtual tem sido muito importante para o enfrentamento da pandemia.

A executiva definiu como “uma medicina mais conectada” o que a companhia tem feito com a finalidade de tornar mais ágil não apenas o atendimento, mas a triagem dos casos suspeitos. “No aplicativo para smartphone, lançamos um processo de triagem de covid-19 com um botão específico e também estendemos essa triagem para o canal de WhatsApp.”

Raquel também contou: “tivemos mais de 280 mil acessos [para a triagem] desde o lançamento do serviço apenas pelo app”. Além disso, as consultas do “médico na tela”, que permite ao usuário realizar uma consulta com um profissional pelo computador ou celular, cresceram mais de 3.000%, com 28 mil consultas apenas nos últimos 30 dias.

De acordo com Giglio, a companhia ainda implantou o “fast track”. “Em 26 hospitais parceiros, os beneficiários avaliados previamente e que tenham necessidade de comparecer aos estabelecimentos não necessitam aguardar a fila para pronto atendimento.”

A SulAmérica alcançou a marca de 3,9 milhões de beneficiários no primeiro trimestre de 2020, o valor corresponde a uma adição de 43 mil vidas em relação ao mesmo período do ano passado. “não tivemos um efeito muito relevante no primeiro trimestre da covid-19, mas os adiamentos de procedimentos eletivos, principalmente no fim de março e início de abril, devem ter efeitos [de aumento de sinistralidade] mais para a frente”, avaliou a vice-presidente.

Gabriel Portella, presidente da companhia, informa que a SulAmérica registrou a internação de 1.610 beneficiários no primeiro trimestre por conta da covid-19. De acordo com o executivo, desse total 713 tiveram de ser atendidos em UTI. Houve ainda uma recuperação e alta médica de 1.031 pacientes atendidos pelos planos da companhia. No balanço do período, 91 pacientes morreram por conta da doença.

Para o CEO, a pandemia mostra que “nunca estivemos tão preparados por tudo o que a gente desenvolveu em termos de tecnologia e inovações para o crescimento do negócio”.

FONTE: CQCS