Brasil ocupa o oitavo lugar entre os países com maior potencial de seguro, segundo índice da MAPFRE

China lidera o ranking nos segmentos Vida e Não Vida de um total de 96 mercados analisados.

A atualização do Índice Global de Seguros Potenciais (GIP), elaborado pelo Serviço de Estudos da Mapfre, mostra o Brasil como uma das nações com maior oportunidade para o setor.

No ranking, que analisou 96 mercados, o país ocupa o oitavo no lugar no segmento Vida, subindo uma posição em relação à edição anterior divulgada em março, e também no de Não Vida, em que se manteve estável.

Lançado no começo deste ano, o GIP é a primeira métrica internacional que apresenta os países com mais possibilidades de crescimento para a indústria seguradora em médio e longo prazo.

O levantamento teve como base o período de 2008 a 2018 e indica que países da Ásia e da África apresentam o maior potencial para seguros e importância relativa no contexto global.

De acordo com o Serviço de Estudos, o GIP aumentou em comparação com os valores da década 2007-2017, o que é explicado principalmente pelo desenvolvimento ainda incipiente do produto Vida em países emergentes como o Brasil.

O estudo conclui que o potencial de seguro é bastante concentrado, independentemente de se tratar de um mercado desenvolvido ou não, e que permanece semelhante nos últimos anos.

O diretor Geral de Serviços de Estudos da Mapfre, Manuel Aguilera, afirma que as expectativas de reaquecimento econômico colaboraram com o ganho de uma posição no ranking de Vida. “Tempos de crises trazem importantes aprendizados em relação à economia e finanças pessoais.

Neste sentido, apresenta-se uma valiosa oportunidade para o mercado segurador brasileiro, que possui um vasto campo a ser explorado pelas companhias que melhor se posicionarem e adaptarem seus produtos à realidade local”, observa.

“Sabemos do enorme potencial do Brasil para o desenvolvimento do negócio de Vida, e também já percebemos que o consumidor tem demonstrado maior preocupação em ter uma proteção para si mesmo e suas famílias, no caso de um evento não programado”, afirma Fernando Pérez-Serrabona, CEO da Mapfre Regional Brasil e representante da Fundación Mapfre no país.

Entenda o GIP-Mapfre

O índice desenvolvido pelo Serviço de Estudos da Mapfre se baseia em estimativas da Estimativa da Abertura de Proteção do Seguro (BPS), que representa a diferença entre a cobertura de seguro economicamente necessária e benéfica para a sociedade e o valor dessa cobertura realmente adquirida, e modifica-se em função do crescimento econômico e da população de um país, assim como do surgimento de novos riscos. No caso do Brasil, essa diferença alcançou 314,5 bilhões de reais ou o equivalente a 86 bilhões de dólares.

Para o cálculo do GIP-Mapfre, além da BPS, outras variáveis são levadas em consideração, como penetração (prêmios / PIB), tamanho da própria economia ou nível populacional, entre outras. Em resumo, oferece uma pontuação que ordena cada país de acordo com sua contribuição para diminuir o déficit global de seguros.

Acesse o estudo completo em inglês:

http://www.fundacionmapfre.org/documentacion/publico/i18n/catalo

FONTE: Revista Cobertura