Estação mais quente do ano requer cuidados com a pele e cabelos

Calor, sol, mar e piscina são uma delícia, mas também significam que os cuidados com a pele devem ser redobrados. O principal deles é caprichar no protetor solar. “Isso significa usar todos os dias, mesmo quando fica em casa ou quando está nublado, e reaplicar várias vezes ao longo do dia. Isso porque o horário de verão aumenta o número de horas expostas ao sol e o protetor solar dura apenas 3h na pele”, alerta a médica Dra. Laura Canti (CREMERS 36860). Ela também lembra que sempre após um banho de mar ou piscina, o produto deve ser reaplicado.

Além de evitar as indesejáveis queimaduras, o protetor solar evita o envelhecimento da pele, previne contra o surgimento de manchas (melasmas) e sardas e de câncer de pele. “A escolha do tipo e marca de filtro solar vai depender do seu tipo de pele – oleosa, sensível ou seca, por exemplo – do seu histórico de doenças de pele – pessoas com psoríase devem usar protetores mais hidratantes, para quem já teve algum tipo de câncer de pele, os fatores de proteção FPS  e PPD mais altos serão mais indicados –  e de situações estéticas como é o caso de manchas do tipo melasma, em que  filtros com antioxidantes e com base são o ideal”, explica.

Outro aliado poderoso para curtir o verão sem problemas são as roupas e acessórios com filtro UV. Recentemente se tornou muito comum encontrar crianças com camisetas com tecido especial que possui esta proteção, reduzindo a necessidade de passar cremes nesta área do copo. Também existem muitas opções de chapéus e bonés que possuem esta finalidade.

Para as crianças, os cuidados são ainda maiores. Bebês de até seis meses não podem utilizar protetor solar, alerta a médica, e mesmo em dias nublados é aconselhável não os expor ao sol pois há um risco grande de insolação grave. A partir desta idade é possível conversar com o pediatra para escolher um filtro e utilizar as roupas com proteção. Mas Laura ressalta que mesmo com os cuidados é aconselhável evitar a exposição entre 10h e 17h.

Outros aliados da pele na estação são as frutas e verduras. “Verão é época de diversidade de frutas frescas que tem um benefício incrível na pele – antioxidantes, vitaminas e minerais que ajudam na renovação celular”, diz. Porém, as frutas cítricas devem ser consumidas com cuidado, pois há grande chance de causarem manchas e queimaduras na pele em contato com o sol. Frutas como a melancia são ricas em água e ajudam a hidratar. Outra opção é a água de coco, que é rica em minerais e é considerada um isotônico natural.

Quem gosta de ficar na beira da praia precisa ficar atento, pois o protetor solar deve ser reaplicado a cada três horas para garantir a eficácia. Também é preciso manter a pele hidratada tomando bastante água ou água de coco, já que com o calor aumenta também o suor. “O uso de cangas e toalhas para não entrar em contato direto com a areia da praia é muito recomendável para reduzir o risco de micoses e outras infecções de pele”, explica a médica. O uso de perfumes e desodorantes também merece um cuidado maior, já que podem causar irritação na pele em contato com o sol. O repelente pode ser passado em conjunto com o protetor solar, mas deve-se esperar que o filtro seque para somente então aplicá-lo.

Se queimou demais? Calma, nem tudo está perdido. “Em caso de queimaduras solares na pele deve-se suspender a exposição solar para não piorar a queimadura. Além disso hidratantes com aloe vera e calêndula são o ideal, mas se você não tiver nenhuma loção específico para a pele sensível, vale um hidratante comum que se encontra em qualquer mercado ou farmácia da praia. A pele queimada desidrata fácil, então repor essa hidratação diretamente na área queimada é fundamental”, orienta Laura. Para uma solução caseira, as compressas de chá de camomila gelado são uma boa opção, mas evite plantas como a babosa pelo risco de irritar a pele.

Sol, mar e piscina aumentam o risco de ressecamento dos cabelos. “Para isso já existem cremes sem enxágue, xampus e condicionadores com filtro solar. O uso de hidratações semanais com cremes de tratamento também ajudam. Mas evite passar extratos de plantas como a babosa e prefira produtos específicos para os cabelos”, afirma.

Mas se quem vai fugir do calor em busca de destinos mais gelados acha que pode deixar o protetor solar em casa se engana: a neve reflete mais os raios do que a areia da praia, aumentando a chance de queimaduras. “Ventos gelados também queimam a pele e podem agravar quadros dermatológicos como a rosácea. O uso de hidratantes específicos para a pele sensível ajudam”, diz Laura. Porém, a médica diz que a melhor opção é sempre consultar um dermatologista para que ele indique produtos mais específicos para cada tipo de cabelo e pele. “Queimaduras com bolhas em grandes áreas do corpo, febre, mal estar após exposição solar, reações alérgicas e manchas estranhas são bons motivos para procurar um médico”, conclui.